acesse







     
 
< voltar

#4 Labirinto de Creta   04:48
Participação especial DJ Cleeeston, do Detonautas, no scratch de 'Já que Sou Brasileiro' (homenagem a Lenine)
Faixas  Letras e Cifras  Onde Comprar  Download  
A                           D                                      Bm
Júlio é um cara que nasceu na Zona Norte
                G
E ele tem um porte
                   A
De senhor respeitável
A                           D                                              Bm
Sempre sua tara foi fazer somente esporte
                          G
Mas ele não deu sorte
                A
E virou um invejável
        A7                                  D
Advogado respeitado, sua sina na tribuna é vencer
        A7                                          D
Ele defende inocentes, traficantes e o que der pra defender...

Júlio acorda cedo, pega onda em sol nascente
E vai pro batente
Com gravata e alma lavadas
Mas nunca está inteiro: uma alma; duas mentes
A falta que ele sente
A lacuna do nada

Resignado, conformado, todo dia ele passou a defender
O seu salário, honorários e os horários que o chefe resolver

F#m
Bem que ele quis
2x                Bm
Do seu jeito ser feliz
              F#m
E, como a gente diz,
                    G
Ele quer por os pingos nos is

Júlio faz análise, mas acha que é besteira
É como enceradeira
Roda e não sai do lugar
Júlio tem suas fases, de achar furo em peneira
Fase Tarcísio Meira
Fase moço do lar

Não é casado, separado, nem tarado, ainda pensa o que vai ser
Mas sua crença é imensa, a doença ele vai ter que reverter

Júlio pensa grande, quer ganhar dinheiro a rodo
Pra largar este engodo
E viver de surfar
Júlio foi um fã de Xuxa, Chaves e do Bozo
Hoje acha estiloso
Ver o Lenine tocar

Descontraído, divertido, comprimido ele toma por tomar
O seu destino de menino é o desatino de sonhar sem conquistar
  
F#m
Bem que ele quis
2x                Bm
Do seu jeito ser feliz
              F#m
E, como a gente diz,
                    G
Ele quer por os pingos nos is

Júlio, todo ano, vira o ano com a promessa
De mudar tudo à beça
De fazer o que quer
Entra ano sai ano, paranóia que não cessa
Ele nunca sai dessa
Labirinto de Creta

O minotauro é otário e. é claro, não é páreo pra você
O seu segredo é não ter medo de ser sempre um arremedo de viver


 
   
© Claudio Henrique - todos os direitos LIBERADOS desenvolvido por Fabrica de Design